segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

DÁ UM DESCONTO!



É rapeize. O Cuca prometeu que o Flamengo jogaria bem. O Cuca disse que colocaria força máxima em campo. O Cuca afirmou que queria manter a invencibilidade. Mas, de todas estas promessas, somente a última foi cumprida, graças ao Josiel e a São Judas Tadeu, que conseguiram empatar a partida em 1X1 no final. Se não fosse "a tabelinha entre os dois", aos 48 do segundo tempo, a gente teria perdido pro Botafogo de Ney Fraco de goleada, temos que admitir.

O jogo tecnicamente foi bem ruim. Taticamente, então, não vou nem comentar. O Fla tava uma desorganização só, especialmente no meio e na zaga. Tiago Salles entrou mal, muito mal. Ingênuo, devagar e terrível na cobertura. Se tivesse que avaliar a atuação do moleque ontem, daria uma nota 3. Ele foi uma avenida. Mas também não é pra execrá-lo. O cara pegou uma roubada, graças aos problema com o Angelim. E não tem as mesmas características do titular, seja na marcação, na cobertura e no avanço ao ataque. A questão é que a diretoria DEU o Fabrício - esse sim tinha futuro no Mengão - praquele time alemão que tava liderando a BUNDESLIGA e agora tivemos que ir com o Salles mesmo.

Analisando o jogo, não tenho muita novidade a dizer. Os erros foram os mesmo que eu já reclamei em outros jogos do Fla na competição. Temos um time muito mais ofensivo do que era no período em que Caio Jr comandava o rubro-negro. Acontece que a marcação ainda não encaixou bem e a cobertura aos avanços dos zagueiros está sendo mal feita.

Percebam que há um enorme buraco entre a zaga e os primeiros homens do meio-campo, que tem o papel de ligar a bola com o ataque. Os nossos laterais jogam muito adiantados, portanto, distantes dos zagueiros que roubam a bola. No entanto, Toró e Íbson, que deveriam jogar mais próximos de Fábio Luciano e Tiago Salles, também estavam muuuuuuuito longe deles, aguardando a bola na intermediária.

E foi nesse rombo entre os dois setores de marcação do Fla, que o Bota deitou e rolou, fazendo tabelinhas sucessivas na entrada da área. Reinaldo brincou de jogar bola ontem, no primeiro tempo especialmente. Ninguém conseguia impedir os avanços do centroavante dos caras. Quando finalmente conseguiram parar ele, o cara descolou um toque pro meia Batista, livre, meter uma porrada rasteira, da entrada da área, impossível pro Bruno: 1X0.

Essa filosofia que o Cuca implantou de correr mais riscos no ataque, para marcar mais gols, eu acho louvável. A galera (e eu também estou incluído) quer ver o Mengão fazendo gols mesmo, partindo pra dentro. O problema é que criamos chances para meter 3, mas damos espaços pro adversário fazer 6, por conta das falhas de marcação que vêm ocorrendo.

Vou lhes dizer uma coisa: se a gente pega pela frente um time como o São Paulo, que sabe marcar, encaixar um contra-ataque rápido e finalizar com precisão, tomaríamos uns 12 gols no jogo de ontem. O alvinegro só não fez mais porque estava cheio de mulambos em campo. Do contrário, poderiam ter dilatado o placar, visto o número de vezes em que chegaram na cara do gol.

Mas não foi só a desorganização da meiúca que me irritou no clássico. Fiquei puto também com a quantidade de oportunidades desperdiçadas pelo Obina dentro da área, que seria a "casa" dele. O camisa 18 fica tentando fazer golaços, pra se consagrar, ao invés de fazer o gol do jeito que der. Ele precisa compreender, de uma vez por todas, que a galera quer ver gol, seja de cabeça, de coxa, de ombro, de orelha ou de bunda. O maluco precisa se conscientizar de que ele é atacante, mas não é cara técnico, não é craque. É um jogador decisivo quando joga sério, mas não tem jogado sério. Pra piorar a nossa situação, o tal do Renan, que eu não dava muito, resolveu agarrar tudo o que ia pro gol alvinegro. O moleque safou o Bota de tomar alguns gols no primeiro tempo e muitos no segundo.

Por falar em segundo tempo, ele começou um pouco melhor pra gente. O time de General Severiano recuou, esperando pra partir no contra-ataque. Mas o Flamengo começou a atuar melhor pelas laterais e pelo meio, sufocando os caras na zaga. Logo aos 5, o Jônatas acionou o bom Willians pela ala direita. O camisa 8 mandou chuveirinho na área e Egídio foi empurrado por Alessandro quando iria cabecear pra dentro das redes... cal!



Na cobrança, sei lá porque cargas d'água, deixaram o Obina, que não é nem batedor oficial, cobrar. O maluco foi lá e fez o óbvio: perdeu. A massa, enfurecida, começou a vaiar e xingar a cada passe, cada toque na bola que o jogador dava em campo. Acabou o amor e Cuca se viu obrigado a mexer no time.

O problema é que, mais uma vez, o treinador mexeu mal na equipe - outro problema recorrente. Cuca até sabe colocar os jogadores certos para resolver a parada, mas, infelizmente, insiste em tirar de campo os jogadores errados. Um equívoco, aliás, que ele costumava cometer também em sua época dirigindo o time adversário.

Com Josiel, Fierro e Everton Silva em campo, o jogo passou a fluir um pouco mais. Tomamos alguns contra-golpes perigosos, puxados pelo Reinaldo, mas a pontaria botafoguense estava tão boa quanto a dos japoneses, quando o Zico foi pra lá ensinar o que era o futebol. Acontece que os chutes e cabeceios do Mengão sempre paravam na excelente atuação do camisa 1 do Bosta.

Mas no minuto final, São Judas Tadeu entrou em campo e ai não teve conversa. O santo fez a bola de Fábio Luciano viajar até o ataque, sobrar pra Zé Roberto, que invadiu a área e chutou forte. Renan rebateu e ela sobrou, limpinha, pro Josiel catucar pra dentro e empatar, nos descontos, aos QUARENTA E OITO do segundo tempo: 1X1 e alívio geral nas arquibancadas!

O empate na foi bom, mas serviu pra gente fugir - temporariamente - de um confronto complicado contra o Fluminense, já nas semifinais. Acontece que tudo pode mudar a qualquer momento, se o Vice da Gama conseguir vencer uma disputa no tapetão, pra recuperar os 6 pontos perdidos e voltar a disputa do primeiro turno. Se isso acontecer, ai não vai ter conversa e a gente vai confrontar os tricoletes mesmo, enquanto o Bostafogo vai pegar o bacalhau imundo, que voltará a ter 12 pontos contra 11 do time de Laranjeiras.

VAMO QUE VAMO, MENGÃO!

Gil

Um comentário:

Caio de Almeida disse...

Gil, fica complicado um time jogar bem tendo salários atrasados como está. O Flamengo está ruindo, meu camarada. Te digo que as coisas por lá estão terríveis de fato. Para o Fábio Luciano fazer uma cobranças explícita como afirmaram que ele fez nos vestiários, então, meu caro, é porque a situação está preta.

Creio que o Flamengo pode acabar se não tiver uma administração realmente profissional em 2010.

SRN