quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

PAI GIL



Não sei se vocês lembram do personagem de Tony Tornado, na antiga e boa novela Vamp, da Rede Glóbulo de Televisão. Era um pai de santo que, por acaso, tinha o meu nome. E parece que ele baixou em mim no último post, afinal, arrisquei que a entrada do Jônatas melhoraria os passes, arrisquei que daríamos uma goleada e arrisquei que o time jogaria um futebol melhor, o que, acabou acontecendo na partida de ontem, contra o Mesquita, no Maraca.

Metemos um 4X1 bem convincente, apesar de um primeiro tempo de erros e muita desatenção na zaga. Quem foi ao estádio teve direito até a relembrar, através do melhor goleiro do Brasil, as cobranças de falta que o Zico, o nosso Rei, fazia por ali por aquele gramado. Que golaço esse do Bruno, maluco! Fiquei arrepiado quando a bola foi deslizando pela rede, desde o ângulo até quicar na grama. Uma pintura. E também uma esperança de que, a partir de agora, o Rogério Ceni vai ter alguém no mesmo nível pra disputar a artilharia entre os goleiros.

Sobre o jogo, não vou me estender falando sobre os detalhes, porque a chuva acabou com a luz lá em casa e eu só pude conferir os gols e uma parte da reprise, de madruga, no PFC. Por isso, inclusive, demorei pra cacete pra escrever aqui no nosso URUBUZADA.

Zé Roberto fez uma boa estréia e me deixou bastante esperançoso quanto ao seu futuro no Fla. Meteu um gol, imprimiu mais velocidade ao ataque rubro-negro e organizou um pouco a saída de bola, principalmente depois que o Jônatas entrou. Mas ainda prefiro a cautela de esperar os próximos jogos, para avaliar profundamente a sua importância e função na equipe. Assim, evito impressões precipitadas, como a que tive de Willians. Achava o cara meio brucutú, um Jaílton, modelo 2009, com ar-condicionado. Mas agora percebo que o maluco tem potencial tanto na defesa quanto nas avançadas, como elemento-surpresa, no ataque. Foi dele a boa jogada, pela ponta direita, que resultou no 1X0.

Logo depois, o time do subúrbio carioca empatou, num de vacilo de Willians, Fábio Luciano e Bruno. Os três ficaram indecisos sobre quem sairia na marcação e o atacante Leandro Netto ensacou: 1X1.

Depois disso, a massa começou a vaiar a equipe. Léo Moura, que completou 200 jogos, era o principal alvo da galera. Até aquele momento ele não tinha estreado no Carioca. No outro lado, Egídio também não tava dando o gás que deu no último jogo. Apareceu pouco, errou muitos passes e não demonstrou a mesma ofensividade do 1X0 contra o Voltaço. Tá certo que era a noite do meio-campo jogar mais, contudo, os dois se esconderam demais na partida.

Posto isto, nossas alternativas restringiram-se a chutes de longe de Marcelinho Paraíba e algumas transações de Zé Roberto e Obina na área. Mas não deram em nada e a primeira etapa acabou com muitas vaias.

No segundo tempo, Cuca mexeu na sua cartola e tirou alguns coelhos pra botar em campo: Jônatas, Everton e, por último, Maxi. Botou também o time pra cima do Mesquita. Até os zagueiros avançavam e apareciam muitas vezes dentro da área. Nosso capitão, inclusive, quase meteu dois gols no comecinho da etapa derradeira. Mas esbarrou no bom goleiro adversário.

Mas aos 13 o camisa 1 do Mesquita não conseguiu evitar a virada: Léo Moura entrou no jogo, deu um pique, invadiu a área e rolou pra trás. Éverton empurrou pra dentro. 2X1.

A blitz continuava. Íbson, que jogou boa partida, começou a jogada, que foi parar com Léo Moura na ponta. O lateral cruzou no peito de Obina. O Anjo Negro, que não está cumprindo a sua missão de marcar gols, arrumou com categoria pra Jônatas mandar um voleio, no ângulo. 3 a 1 e a galera delirava no Maior do Mundo.

Jogo ganho, o Flamengo manteve a velocidade e o toque de bola, esperando os vacilos do Mesquita. Aos 30, eles deram mole e cometeram falta na entrada da área. A galera começou a clamar para que Bruno cobrasse. O goleirão saiu de sua área com muita confiança e pediu pra bater. Tomou pouca distância, olhou pra bola, olhou pro goleiro, sacou o movimento da barreira e mandou com primor na forquilha esquerda, pra espantar a coruja que estava dormindo por lá. A massa delirou! É 4X1, golaço e o Bruno entrando para o Hall dos Grandes Batedores de Falta do Mengão!



No fim da partida, a única coisa que me incomodou foi a declaração do Jônatas, se dizendo titular. Tá certo que o meia jogou muito bem e melhorou a saída de bola da defesa pro ataque. Mas esses jogadores tem que parar com esse papo de se auto-proclamarem seja lá o que for. Ao repórter, Jônatas disse: "Não sei quem vai ter que sair para eu jogar. Só sei que vou seguir assim para ganhar a posição".

Espero que essa declaração não tenha nenhum tipo de desdobramento ou polêmica para o próximo confronto contra o Macaé, sábado, dia 07, às 18h15min, lá no Estádio da Cidadania, em Volta Redonda.

VAMO QUE VAMO, MENGÃO!

Gil

2 comentários:

Alexandre Gatuso disse...

ARREPIEI QUANDO OUVI A GALERA GRITA PUTA QUE PARIU É O MELHOR GOLEIRO DO BRASIL BRUNOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! QUERIA ESTAR AI NO MARACA PARA VER ESSE GOL QUE FOI MUITO FODA!!!!!!!!!!!!!!!!!! EI ROGERIO VAI TOMAR NO CU, O MELHOR GOLEIRO DO BRASIL É O GOLEIRO DO URUBU!!!!!!!!!!!!!!!!

Neruso Sam disse...

Vamos com calma...
Primeiro nem vai ter olhaí...porque assustei com o blogueiro noveleiro...hehehehe
PAI GIL é foda.....
hehehehe

Sobre o jogo e o time.
O Cuca é chorão mas não é bobo, como disse recentemente o Paulo Cesar Vasconcelos, "ele não pode perder a inquietude, se acomodar e ser um igual aos outros porque isso ele não é"

Acho que tá encaixando o time..
Vamos ver...

MAS TEM QEU PAGAR SALÁRIO
QUEM TRABALHA TEM QUE RECEBER.
CONTRATO É CONTRATO e TEM QUE CUMPRIR.

Senão tudo cai no vazio.

SRN
Nelsinho