quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

PISARAM NA BOSTA



Tive uns problemas e não consegui escrever aqui logo. Mas ninguém vai perder muito por não ler o que eu tenho a dizer sobre o jogo de ontem, porque ele foi HORROROSO! O Flamengo 2.0, escalado com jogadores que eu acreditava terem qualidade igual ou superior aos do time principal, demonstrou porque eles ainda não garantiram a vaga para começar jogando. Demonstraram distração, desorganização e falta de empenho. Tá certo que os malucos não estão muito entrosados. Mas isso não é desculpa para as atuações, individualmente falando, que nós fomos obrigados a assistir ontem.

De todo mundo, os únicos que se safaram foram Everton Silva e Josiel. Mesmo assim, o atacante não teve a chance de demonstrar muita coisa, afinal, não era municiado pelo confuso meio-campo.

Na verdade, achei que, apesar dos jogadores formarem uma boa equipe na escalação, o Cuca posicionou todo mundo muito mal em campo. Douglas, que jogava como zagueiro central no Santo André, foi colocado como uma espécie de lateral-direito. Avançava mais do que devia e podia e acabou fazendo uma quantidade assustadora de faltas, a maioria, na intermediária.

No meio, Toró, que deu certo nos tempos de Joel cumprindo uma função mais defensiva, começou o jogo como meia-atacante, com a obrigação de organizar as saídas entre o meio e o ataque, o que, obviamente, não deu nem um pouco certo. Por conta própria (e por cacoete), o baixinho acabou recuando e ficando na cobertura das saídas dos zagueiros. Zé Roberto e Jônatas estavam abertos um de cada lado do campo, na função de armadores. O problema é que os dois estavam prendendo demais a bola - Jônatas principalmente - e acabaram errando tudo o que tentaram no primeiro tempo.

Nas alas, o moleque Everton Silva começou acanhado. Mas, ao se soltar, provou que pode render bastante e preocupar o Léo Moura, como eu havia dito. Na esquerda, Éverton foi uma tristeza. Pra mim, o meia (que jogou como ala), foi o pior em campo disparado. Estabanado, ele não acertou um passe, um cruzamento, um chute e manteve a maldita mania de derivar pelo meio, que, como sempre, estava congestionado pela linha de 4 homens do Boavista.

Josiel, coitado, ficou isolado no ataque durante quase todo o jogo e não produziu muita coisa. Mas se esforçou, buscou os arremates e aproveitou a chance que teve para abrir o placar, quando o zagueiro do Boavista desviou erradamente um cruzamento de Everton Silva, deixando a bola prontinha pra ensacar aos 24 minutos: 1X0.

Como a tradição do Flamengo é cochilar depois de marcar seus gols, o Fla 2.0 não fugiu à regra. 18 minutos depois, num contra-ataque adversário, a bola sobrou livre pro atacante Tony, do Boavista, arriscar de fora da área. Sem nenhuma marcação, o chutou, a bola desviou em Toró e enganou Bruno, que só conseguiu dar um tapa. A pelota ficou de bobeira na pequena área e o atacante Roberto Santos chegou antes de Fábio Luciano, que também dormiu, empatando o jogo.

No início do segundo tempo, mesmo com as boas entradas de Egídio e Aírton, parecia que o time de Saquarema era a potência e o Fla, o time do interior. Foram 3 minutos de pressão pra cima da gente, numa verdadeira blitz verde. Teve defesa do Bruno, bola no travessão e várias bolas alçadas na área. Até que aos 4, numa falta batida da ponta esquerda, Santiago, o mesmo zagueiro que havia entregado a bola nos pés de Josiel, se antecipou ao nosso capitão - que estava mal na marcação - e cabeceou sem chances pra Bruno. Vira-vira do time de Bacaxá: 2 a 1.

Irritado (apesar de ter culpa parcial), Cuca gritava para seus comandados sufocarem o adversário na defesa. O Flamengo começou a render um pouco mais pela esquerda com Egídio. Mas sentia falta do último passe no meio, já que Jônatas havia saído para a entrada do lateral. Assim, arriscamos vários cruzamentos, mas sempre éramos barrados pelos zagueiros do time do Boavista.

Com Éverton muitíssimo mal no jogo, Cuca botou em campo Paulo Sérgio. A partir daí o Flamengo começou a arriscar mais da entrada da área e nas jogadas de infiltração pelas pontas. Depois de muito insistir, veio o empate. Após cobrança de falta de Kléberson pela esquerda, nosso capitão compensou a deficiência defensiva com um belo salto e uma cabeçada perfeita no cantinho esquerdo do goleiro Vinícius, que também impediu a virada do Fla em outras duas oportunidades, com Kléberson e Everton Silva.

Com esse resultado, o Mengão perde os 100% de aproveitamento, mas mantém-se invicto na competição, com 4 pontos a frente do segundo colocado, que é o Bostafogo. Contra o alvinegro, Cuca afirmou que irá com o time mais forte possível e prometeu para a torcida uma boa atuação em campo, sem meia palavras. De qualquer forma, o atual bi-vice carioca ainda terá que fazer a sua parte contra o Friburguense, para continuar com chances de terminar como líder do Grupo B da competição. Isso significa que é a nossa hora de secar os malucos!!!

VAMO QUE VAMO, MENGÃO!

Gil

2 comentários:

Neruso Sam disse...

Olhaí Gil
Foi um Lixo mesmo.
Mas na minha opinião não foi muito diferente dos outros jogos com o time "titular", só que o golsinho salvador não saiu.
E não saiu por muito pouco...
melhor assim, pois os caras aprendem que ganhar jogo só se ganha com vontade, inteligência e esforço.
Agora começa a decisão.
Ai vamos mesmo entender aonde quer chegar o Fla e o Cuca
SRN
Nelsinho

Negão disse...

Com um técnico desses...