segunda-feira, 28 de abril de 2008

EPIDEMIA DE ESTUPIDEZ

Minha esposa foi ontem ao Instituto Estadual de Hematologia Arthur de Siqueira Cavalcanti, mais conhecido como HEMORIO, localizado na Rua Frei Caneca, Centro do Rio. Seu objetivo, muito altruísta por sinal, era doar sangue para ajudar as incontáveis vítimas que sofrem com a epidemia de Dengue no Rio de Janeiro. Ela tem sangue O+, ou seja, doadora universal, compatível com todos os demais tipos sangüíneos.

Para tanto, perdeu duas preciosas horas - eu disse DUAS HORAS - na fila do hospital até que fosse chamada para preencher um daqueles burocráticos questionários dados para fazer uma "triagem" do candidato a doador. Pois bem. Após completar tal maratona, a médica, Dra. Giane Gonçalves dos Reis, Nefrologista, furou seu dedo, avaliou seu sangue - que foi dado como saudável - e pôs-se a ler o tal formulário.

Qual não foi a surpresa de minha esposa quando a infeliz, sem se abalar, informou que ela estava impossibilitada de fazer a DOAÇÃO porque nós tinhamos viajado para o exterior há menos de 6 meses atrás? Bia, minha mulher, insistiu, dizendo que o país para o qual viajamos não fazia parte da zona epidemiológica, ou seja, não estava entre os países-foco da doença. No entanto, a "doutora" reafirmou a posição de não coletar nada.

Caralho! Será possível que as pessoas não pensam? Será que esta estúpida, que já havia avaliado a porra do material (digo, sangue), e não tinha constatado problema algum, não raciocina que aquela bolsa de sangue pode salvar a vida de alguém. Era o sangue de uma pessoa sem vícios, sem doenças graves e a graduada negou-se a retirá-lo pois tínhamos ido pros Estados Unidos no mês passado!!!!! Isso ai! Eu não fui pro Camboja ou para o Sri Lanka! Fui para os Estados Unidos, onde duvido que a dengue passe perto.

Pra mim, esse incidente deixa claro três coisas:

1) A saúde nesse país é uma vergonha;
2) O ensino nesse país é uma vergonha (como pode uma MÉDICA FORMADA agir como uma leiga imbecil, sem capacidade de avaliação e senso crítico?)
3) As pessoas fazem muito pouco-caso com o sofrimento alheio.

LAMENTÁVEL!!!!!!!

Gil

8 comentários:

Shina disse...

É fda mesmo amigo. O pior é quando eles coletam o sangue e depois jogam fora porque descobrem que o doador tem tatuagem ou deixou de preencher algo no formulário. Ouvi dizer tb que eles jogam fora o sangue quando "suspeitam" que o doador é homossexual já que este é um grupo de risco (!) para doenças.

helder r.bino disse...

Esta é mais uma das merdas dêsse paisinho de BOSTA....mesmo trabalhando na área da saúde,eu me sinto com um DEBILÓIDE,um VERDADEIRO DÉBIL MENTAL...abraço,Fábio...Helder...Goiânia.

Luco disse...

faltou ainda uma análise do processo. q tal avaliar o histórico do doador PRIMEIRO, logo após agradecê-lo pelo seu tempo e disponibilidade? precisa mesmo deixar o cara esperando pra levar um "não, obrigado" depois?

entendo q o pessoal de bancos de sangue passe por um problemão: não dá pra avaliar o sangue de todo mundo, senão sai caro. então tem q ter uma triagem.

oq eles não avaliam é q uma pessoa casada há 10 anos pode perfeitamente pular a cerca sem camisinha, ao mesmo tempo q um tatuador pode esterilizar TUDO inclusive pra não perder clientes.

ou seja, o conservadorismo de alguns literalmente acaba com a vida de outros. patético.

Thiago disse...

Muito, mas muito lamentável mesmo! O pior é q não é um erro, mas sim um série ilimitada deles. O Rio vai sofrer muito ainda com dengue e infelizmente isso é um fato. Li uma reportagem q dizia que o Brasil ja criou uma vacina contra a dengue mas por questao de teste que sao obrigatorios a vacina deve demora uns 3 anos pra chegar a ser usado nas pessoas. E torcer pro virus ser bonzinho e não mudar em 3 anos. Ou pedir pra sua senhora parar de viajar até lá. :(

Negão disse...

Bem-vindo à realidade brasileira!

Alexandre Gatuso disse...

DENGUE AQUI NA AMERICAA???????????? HAHAHAHAHAHAHAAHAHAH!!!! NÃO ACEITA SANGUE RUBRO-NEGRO CHEGA A SER SACANAGEM!!!!!!!!!!!!!! POR ISSO SAI DAI E VIM PRA AMERICA!!!!!

Henri disse...

É por isso que eu não vou doar sangue.

É egoísta, mas na hora que algum parente ou conhecido precisar eu dôo diretamente.

Esse país não tem mais jeito!

Wlademir Nogueira disse...

Não doar sangue não resolve nada. Até atrapalha, meu querido. Olhar somente para o seu umbigo (ou de sua família) só faz de você alguém menos altruísta. Acho que a mulher errou feio, agiu de maneira negligente e irresponsável. Contudo, vou continuar doando e passarei esta crítica para o Jornal o Globo, na ouvidoria ao leitor. Eles saberão o que fazer com isso.