quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

VOLTANDO A REFLETIR

Vocês já devem ter reparado que eu viajei neste Carnaval, né? Desde os dias que cercaram o último jogo, contra o Botafogo, que não escrevo uma linha sequer aqui no nosso URUBUZADA.

Ainda bem que eu consegui dar uma descansada e abstrair um pouco o assunto Flamengo, do contrário, estaria hoje de péssimo humor e transmitindo toda a minha decepção e irritação para vocês, através do meu texto. Ao invés disso, tive tempo de me acalmar, fingir que o campeonato carioca não estava rolando e aproveitei pra esfriar minha cabeça e descansar nestes dias de feriado. Diante disso, resolvi escrever aqui uma análise ponderada e profunda, com o objetivo de apontar os erros e propor mudanças claras para que o nosso clube não vá à falência em breve e nosso time evite novos vexames, como aquele contra o Resende.

O primeiro ponto que devo tocar é a humildade. Não devemos ser humildes ao ponto de escondermos o orgulho que sentimos de torcer para o Flamengo. Mas temos que ser humildes para reconhecermos nossos erros e corrermos atrás de soluções, fatores que não estão muito em alta na Gávea. Os equívocos cometidos por essa diretoria são os mesmo de muitos e muitos anos atrás. São os mesmo da Era Edmundo Santos Silva, que muitos execram e apontam como a pior época do Flamengo.

No entanto, o exagero de contratações, os jogadores sem nenhuma condição de vestirem a nossa camisa e a total incompetência administrativa, também tornaram-se características marcantes desta nova Era Márcio Braga. De diferente das acusações que costumam ser feitas à Edmundo, somente o desvio de dinheiro do clube, que nesta administração parece não ocorrer. Mas não seria também uma espécie de desvio de receita, contratar jogadores por peso de ouro e, seis meses depois, vendê-los por preço de banana para não onerar o clube? Não seria exagero continuar contratando jogadores medianos, sabendo que a nossa base revela grandes valores? Não seria desperdício vender atletas com 17, 18 e 19 anos para clubes estrangeiros, para tapar buracos das contratações atuais, mesmo sabendo que eles ainda não atingiram a sua maturidade e, portanto, estão rendendo ao clube bem menos do que poderiam? Eu acho que sim. Acho que tudo isso é uma espécie de desvio.

Contudo, apesar de tantos erros, o Sr. Márcio Braga e o Sr. Kleber Leite mostram-se absolutamente convictos e arrogantes diante de suas decisões. Realmente creem que estão fazendo o melhor pelo clube, fato que me leva a conclusão de que são muito bem intencionados, mas não entendem ABSOLUTAMENTE NADA de gestão moderna. Não sacam PORRA NENHUMA do que é manter um clube como o Flamengo. Desta forma, creio que é bem melhor que eles passem a bola para quem saiba fazê-lo e tornem-se torcedores-contribuintes, papel que, tenho certeza, eles poderiam cumprir muito bem, até mesmo com destaque.

Quando falo em torcedores-contribuintes, não me apego só à grana, digo deles contribuirem com tudo: opiniões, dinheiro, apoio e, principalmente, história. Eles poderiam ajudar este novo gestor, caso ele não esteja enraizado no Flamengo, a compreender o que é e o que foi o Flamengo, porque nisso, nessa história do clube, eles de fato estão inseridos como poucos. Mas estas opiniões devem sempre seguir o preceito da humildade. Afinal, eles precisam compreender que foram incapazes, apesar da boa vontade, de tocarem o clube. O negócio deles é paixão, que é bem diferente do que precisamos agora, que é razão, cérebro, inteligência.

O segundo aspecto, que vem absolutamente ligado ao primeiro, é a profissionalização. No tempos de Edmundo Santos Silva (olha a gente falando nele de novo), o Flamengo, dizia-se, estava se encaminhando para uma nova era, a do futebol empresa. No entanto, resolvemos fazer um contrato com uma empresa de bosta, que estava passando por uma crise fudida, e acabamos numa roubada sem precedentes. Contamos com o ovo no cu da galinha e acabamos gastando por conta.

O resultado disso são dívidas que se arrolam até hoje e que colocam o Flamengo numa posição nada confortável (pelo menos pra mim). Se hoje torramos os jogadores da base e outros jogadores que surgem como destaque e se dão bem no time (exemplo: Marcinho), é porque estamos subjulgados a pressão de empresários e outros credores, que funcionam como um câncer e aniquilam os clubes que se deixam contaminar, como o Flamengo. Esse lance de fundo de investimento, empresários preferidos e coisas do gênero, só foderam a vida do futebol brasileiro desde 1984. Isso já foi até tema de discussão num 'Arena Sportv', onde os jornalistas meio que acusavam os caras de terem acabado com a graça, com o amor ao futebol. Mas eles, no personagem de J. Hawilla, dono da Traffic, se defenderam com um argumento que, apesar de compreensível, é duramente assustador: "Nós só agimos naqueles setores em que os clubes não sabiam agir".

Esta frase (não tenho certeza se foi dita assim, mas o sentido era esse mesmo), demonstra a total falta de preparo da maior parte dos clubes do Brasil, que já são alvos fáceis para os clubes estrangeiros e seu poder monetário, diante do assédio de alguém mais profissional e melhor preparado, como os empresários, procurados, agentes FIFA, intermediários ou qualquer outra alcunha que voces queiram dar. Os caras não estão errados. Estão só pensando em ganhar dinheiro. Quem deixa eles pintarem e bordarem, são os clubes e as pessoas inaptas que comandam eles. Só isso. Nada mais.

Se vocês repararem, alguns clubes, como Fluminense, Botafogo, Grêmio, Palmeiras e agora o Corínthians, deram uma melhorada quando foram rebaixados. Tiveram que usar da austeridade e da humildade para juntar os cacos e ressurgirem como clubes melhor administrados e times que se beneficiavam de elencos mais fracos, porém como grupos e estratégias mais fortes. Mas ainda não é o suficiente para o Flamengo.

Em inúmeros posts aqui, pedi quye o Leonardo fosse presidente. E vou repetir aqui novamente: acho que o Leonardo está pronto para enfrentar a atual fase do clube. Ouy melhor: não vejo outra pessoa melhor para tocar o clube num momento tão delicado de sua história. Tenho pavor de imaginar uma nova gestão amadora. Pavor! Acho que estaremos acompanhando uma página da história rubro-negra que eu nunca imaginei que fosse acontecer. Estamos vendo a decadência do clube. E, se continuar, vamos ver o seu fim. EU TENHO CERTEZA DISSO!

No programa 'Encontros para a história', também, do Sportv, numa entrevista com Junior e o Neguinho da Beija-Flor, ouvi o Capacete dizendo que nunca quis ser técnico, mas que foi por pedido de alguns amigos que tinha lá no Fla. Isso foi em 94 e já demonstrava o quanto de informal era a administração da época. em 200, Junior tornou-se uma espécie de Manager. Acontece que o clube estava numa daquelas fases tenebrosas de dinheiro e o ex-craque acabou sendo chutado pouco tempo depois, sem nem mesmo poder pôr em prática seus planos para o Mais Querido. O resultado disso foi que os jogadores que surgiam da base, time campeão da Mercosul em 1999, foram vendidos um ou dois anos depois para clubes do Brasil e do exterior por preço de banana. Bons valores como Rodrigo Mendes, Fábio Baiano, Marco Antonio, Reinaldo (hoje no Botafogo), Lê, Leonardo Inácio, Maurinho, Athirson e Juan, deixaram a Gávea para não mais voltarem ou então, voltarem por um preço às vezes 10 vezes maior do que na ocasião em que foram negociados. Cadê o profissionalismo ai? Para quê revelar se vamos reforçar os adversários e não vamos lucrar? Essa é uma pergunta que eu ainda não sei responder.

O terceiro e último ponto que é necessário ao Flamengo para mudar de uma vez por todas é a coragem. Qualquer mudança é difícil. Por isso, muitas vezes, nos prendemos a antigos preceitos, antigos formatos, antigos hábitos que não são benéficos. É como aquela situação do namoro de muitos anos. Muita gente se acomoda com a garota ou com o cara porque ele já conhece suas manias, porque ele já conhece seus pais, já se dá bem com a família, já pode dormir na sua casa. Mas se esquece que o comodismo vai se transformar em rotina e a rotina vai causar algo muito mais traumático e doloroso lá na frente, quando os dois já forem um casal ou tiverem um filho.

Agora transporte isso pra dentro do nosso clube. Conselheiros e torcedores que estão acostumados a entrar, falar e fazer o que bem entendem e quando bem entendem no Flamengo. Mandar soltar e mandar prender. Fazem tudo o que querem, porque já estão ali "contribuíndo" há muitos anos. Será que estes caras vão conseguir mudar? Será que eles não tem medo e não vão se defender diante das mudanças? Será que eles vão querer enfrentar o risco de não poderem mais pisar na Gávea como manda-chuvas? Sim, porque MUDAR significa FUNDAMENTALMENTE enfrentar riscos, inclusive o risco de não dar certo. Mas ai entra o primeiro ítem citado por mim lá em cima, a humildade. Com a humildade, poderemos voltar atrás, tentar novamente e assim, seguirmos num circulo virtuoso que, se Deus e São Judas Tadeu quiserem, irá reerguer o nosso clube de maneira humilde, profissional e corajosa. O clube de milhões de pessoas em todo o mundo. O Clube de Regatas do Flamengo.

VAMO QUE VAMO, MENGÃO! LEONARDO PRESIDENTE!

Gil

4 comentários:

Alexandre Gatuso disse...

PUTA QUE PARIU MEU IRMÃO ARREPIO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Raquel Santana disse...

Demorou, mas abalou...
Disse TUDO!
Independente da melhor solução, deve acontecer já!
Dá-lhe MENGÃO!!!

Raquel Santana
SRN

Caio de Almeida disse...

Gil, há muito que não lia tantas verdades sobre o Flamengo, nosso time de coração, como li neste post. Realmente este período de afastamento te fez refletir. Para onde você foi? Para um templo budista? rs

SRN

rafael disse...

FÁBIO, VC FAZ IDÉIA DE QUEM VAI CONCORRER A PRESIDENCIA DO FLAMENGO NO FINAL DE 2009, CONFESSO Q TENHO MTO MEDO POR NÃO CONHECER QUEM PODE VIR A SER O FUTURO PRESIDENTE.
ABÇS