quinta-feira, 23 de julho de 2009

CADÊ O FLAMENGO?


Ontem acabou a série de jogos do Fla no Maracanã. Foram 3 seguidos, ou seja, tínhamos a chance de fazer 9 pontos dentro de casa e partir pra tão comentada e sonhada arrancada. Mas o time deu um novo vexame, jogou um futebol imundo e desorganizado e só arrumou um novo empate, desta vez contra o Barueri (galera, o Barueri!!!!), somando apenas 2 pontos em 9 possíveis e continuando na sensacional décima posição.

Independente de jogar completamente desfigurado, com 6 desfalques, o que mais me irritou e me irrita na atual equipe do Flamengo é a total falta de sangue e de aplicação. Precisamos de uma coisa ou de outra para subirmos na tabela e não consigo enxergar nenhuma destas qualidades no melancólico time de Cuca, que deverá ser demitido (ou se demitir) até a sexta-feira.

O Barueri começou a partida melhor, com mais vontade de vencer e pressionava o Flamengo lá atrás. A zaga estava uma zorra e as saídas em contra-ataque, pela esquerda, eram sempre frustradas. Jorbison jogou de maneira tenebrosa mais uma vez (só teve um lance bom, num cruzamento que o Kleberson mandou no travessão) e não deve mais ser aproveitado entre os titulares tão cedo. O moleque é bom, mas está entrando num momento difícil e peida quando joga no time de cima. Conheci muitos assim.

Quando o Flamengo começou a ficar com vergonha de ser massacrado por um timeco do interior de São Paulo e começou a atacar, aí que os caras começaram a causar perigo. Aos 25 minutos, a zaga deu um dormidão daqueles que você dá no sábado depois da praia e deixou Val Baiano receber na grande área. O mulambo dominou e bateu forte, pra defesa de Bruno, que também pegou outra porrada de fora da área aos 32.

Sem esperanças pro segundo tempo, a torcida xingou os jogadores na entrada do vestiário e pediu raça pra equipe. Quando a bola voltou a rolar, logo a gente percebeu que os caras não atenderiam ao pedido. Márcio Careca levou a bola pra linha de fundo e cruzou. Marlon, que estava na cobertura, imitou o homem-pássaro e arreganhou os braços. O juiz marcou pênalti, que Val Baiano fez. 1X0 Barueri.

Imediatamente após o gol do time paulista, Cuca parecia um torcedor, desesperado, desolado e desajustado na linha lateral. O cara não tinha postura nenhuma de comandante, a pessoa que deve manter a calma e enxergar uma maneira de fazer seus comandados reverterem a situação. Logo botou em campo mais dois malucos da base, improvisando-os em posições que não são as originais: Camacho (que é meia) entrou no lugar de Jorbison (que é lateral), e Bruno Paulo (que é volante) na vaga do vaiado Fierro (que é armador). A equipe até conseguiu atacar mais, mas, obviamente, não tinha organização nem coordenação para atacar de maneira eficiente, pois os esforços de concentravam demais no meio e os erros de passe aumentaram significativamente.

Ainda assim, com toda a zona que o jogo se transformou, conseguimos empatar numa falha horrenda da zaga do Barueri. Depois do escanteio, Adriano subiu mais do que todo mundo e raspou de cabeça na bola. Ela ficou pererecando na pequena área e sobrou para Emerson virar e mandar pro gol, rasteirinho. 1X1.

Mesmo furiosa, a torcida começou a incentivar o time pra ver se os caras tomavam vergonha na cara e saiam com os 3 pontos. Mas isso só expos ainda mais a nossa fragilidade tática, técnica e emocional. Quanto mais partíamos para o ataque, mais levavamos contra-golpes perigosos.

Aos 34, quase que o Barueri desempata. Márcio Careca fez uma tabelinha com Flavinho que tocou na saída do Bruno. A bola passou bem perto do gol do Fla.

Do nosso lado, a única boa jogada veio de Willians, que pegou a criança no meio-campo, partiu em jogada individual e arriscou. A bola bateu na trave e no rebote Bruno Paulo não conseguiu botar pra dentro.



E foi assim, de maneira triste, que o jogo terminou. A nação, que compareceu em número reduzidíssimo, começou a gritar "Adeus, Cuca" sem parar. O treinador saiu de campo sem falar muito, com aquela cara de hiena Hardy, como se fosse chorar no vestiário.

Na próxima rodada, vamos até a Vila Belmiro para enfrentar o Santos, de Vanderlei Luxemburgo. Só não sei quem irá dirigir o time nesta partida, pois as chances do Cuca sair ainda hoje são imensas. Para o seu lugar, os nomes cogitados são os de Carlos Alberto Parreira, Júlio César Leal, Vagner Mancini* e Carpegianni.

Gil

* Editada pelo autor às 14:04h

3 comentários:

Douglas Silva disse...

Não queria que o Cuca saisse, acho que não é culpa dele o time ta desse jeito, jogamos com muitos desfalques e tals, ta certo que precisa de um pouco de liderança mais acho que deveriamos parar de colocar a culpa no treinador.

KINHA disse...

Olá!
Estou aqui para fazer-lhe uma proposta, que eu considero interessante.Também sou TOP 100 e estou concorrendo na categoria “VARIEDADES” e estou na campanha “UM VOTO POR UM VOTO”.O legal disso tudo é essa interação,eu conheço seu blog e vc, o meu.Já votei no seu e sei que também que receberei seu voto.
Estou te seguindo e se quiseres me seguir, ficarei honrada.Venha apanhar o selo comemorativo do blog, com assinatura de um artista plástico.Sua presença é muito importante para nós.
Obrigada

Anônimo disse...

O Cuca tinha que sair. Mas os cartolas perderam a oportunidade de contratar um técnico de 1ª linha: Luxemburgo, Muricy. Agora, as alternativas não empolgam. Enfim, resta torcer para que o novo treinador faça jus ao termo, porque desde a saída de Joel Santana estamos à deriva...