quinta-feira, 8 de outubro de 2009

DEMOS MOLE!



Ainda tô meio fora de fuso. Cheguei de viagem lá da gringolândia e ainda tô botando o sono em dia, por isso atrasei pra cacete pra escrever por aqui. Mas não fui só eu quem deu mole ontem. O nosso querido Flamengo também.

Chegamos de maneira arrasadora lá na Bahia. Pra começar, dividimos o estádio com a segunda maior torcida do estado, em pleno Barradão. Mas isso é coisa comum no mundo mengolino. O que não estava sendo normal é a gente entrar em campo partindo pra dentro. No período pré-Andrade, o Fla saia sempre atrás no marcador, julgando que a cautela era a melhor arma para vencer as partidas (justamente por isso, não vencíamos). Mas com o Tromba é diferente. O time tem os seus cães-de-guarda e o resto da equipe cai pra dentro.

O problema é que ontem foi demais. Angelim, Willians e Airton estavam avançando muito mais do que o de costume. E o jogo não exigia isso. Eu cantei a pedra no post passado: o Vitória é mais frágil nas laterais. Os alas deles avançam demais e deixam TOTALMENTE desguarnecidos os flancos do campo. Era por ali que a vitória poderia sair. E logo, logo, saímos na frente com um contra-ataque puxado por Zé Roberto, que aliás, foi o melhor nome em campo, na minha opinião. O neguinho pegou a bola no meio, sem marcação, levou até a quina da área, derivou pro meio e rolou pra Denis Marques, pra mim o pior em campo, abrir o marcador.

Com o 1X0 achei que o time do Vitória se desesperaria e viria com tudo pra cima. E pensei certo. Os caras realmente vieram. O problema é que o Flamengo, ao invés de esperar que os mulambos de desarrumassem pra ampliar, continuou se expondo, indo ao ataque com tudo. Os cabeças-de-área do time apoiavam os avanços de Léo Moura e Everton, deixando só Angelim e Álvaro lá atrás.

Por sinal, falando em Angelim, o zagueiro esteve num dos seus dias de incosntância. Salvava uma bola incrível aqui e cometia um erro bizarro acolá. Não tava dando pra confiar muito nele, não. Acabou botando a culpa na conta do árbitro, que errou SIM, mas nada tão absurdo como reclamou o camisa 4.

E foi de uma bobeira de marcação da zaga, mais especificamente de Airton, que o rubro-negro genérico empatou. Córner da direita, bola alta na área. O camisa 5 do Fla, que é grandalhão, deixou o pseudoatacante Roger tomar-lhe a frente e subir sozinho pra testar. Bruno ainda fez um cafuné na bola, mas ela entrou.

Sem dar muito tempo pros caras respirarem, o Flamengo empatou com Pet. O sérvio foi cobrar uma falta recebido por Everton na ponta. Surpreendendo a todos, mesmo sem muito ângulo, o camisa 43 mandou direto pro gol, passando pela barreira, por um zagueiro e debaixo dos braços do goleiro Gleguer.

Com o resultado positivo, chegou a vez do Vitória contar com uma ajudazinha do juiz pra empatar. Roger pegou a bola na entrada da área, girou pra lá e pra cá e se jogou no chão, visivelmente cavando. O juiz pernambucano Nelson Nogueira, que estava perto do lance, deu falta mesmo assim. A posição era perigosa demais pro Fla. E Ramon, que sempre bateu bem, mandou no ângulo, rente a trava, impossível pro Bruno pegar. 2X2.

O novo empate deu uma abalada no Fla, que ainda se viu prejudicado com o desfalque momentâneo de Everton, após uma cotovelada involuntária do capitão do Vitória. E foi pela ala esquerda que os caras desempataram: a bola estava pererecando no campo do Vitória e um dos zagueiros baianos deu um bico pra frente. Angelim tentou se antecipar a bola e acabou falhando. Ela quicou na sua frente e o atacante do time de Salvador conseguiu dominar e partir em velocidade pra linha de fundo. Também errou o Bruno, que apesar da cobertura feita por Álvaro, se adiantou ao primeiro poste pra interceptar um possível, que seria difícil naquele ângulo. Percebendo isso o ponta adversário rolou a bola pro meio da área, onde Ramon chegou livre (Airton e Maldonado pararam no lance) e tocou pro gol vazio. 3X2.

Após a virada, os jogadores do Mengão reclamaram muito com o juiz. Everton mostrava a todo momento o sangramento causado pela contusão que acabou deixando uma brecha pro terceiro gol dos baianos. Mas o juiz não dava a mínima pra ele. No Twitter, bombavam reclamações pela atuação do árbitro.

Com o fim do primeiro tempo, o time foi pro vestiário e Andrade acabou pedindo mais cautela. Só que as orientações devem ter sido mal entendidas, afinal, o time voltou muito moroso e displicente. Depois de ter perdido o gol mais feito do mundo no primeiro tempo, Denis Marques parecia estar com medo de jogar. Toda bola que recebia era imediatamente devolvido a quem passou pra ele. Nada de ficar com a batata quente. Preocupado com o andamento nada satisfatório do jogo, aos poucos nosso treinador foi mexendo. Botou Bruno Mezenga - que entrou mal e nada fez, Juan - que apesar do passe decisivo para o empate, está totalmente sem tempo de bola e quase foi expulso, e Maxi Biancucchi - que confirmou estar absurdamente desmotivado.

A única substituição que discordei foi a saída de Willians. O meia estava bem melhor do que o Airton no jogo. Além do mais, Airton quase, quase foi expulso no segundo tempo. De qualquer forma as substituições fizeram algum efeito e o Fla voltou a atacar. O problema era que os cruzamentos SEMPRE saiam errados: ou muito fortes, ou muito fracos, ou muito pra frente ou muito pra trás. Adriano a esse ponto, fazia mais falta do que qualquer jogador.

Mas São Judas não nos deixa luatr à toa. Ele reconheceu a determinação do time e permitiu um milagroso passe de Bruno Mezenga (que tava mais pra um Berdinazzi) que encontrou Juan sozinho na ponta. O lateral tocou de lado de pé, no segundo poste, onde Zé Cachaça estava para decretar números finais à partida: 3X3.

No próximo jogo, sábado agora no Maracanã, um Flamengo cheio de desfalques vai encarar o São Paulo, que empatou com o Coritiba. TEMOS que vencer os caras por mais de um motivo: pra aumentar nossas chances de lutar por uma vaga na Libertadores e para diminuir as chances dos Bambis paulistas serem hepta campeões nacionais.

VAMO QUE VAMO, MENGÃO!

Gil

4 comentários:

Felipe disse...

Demos mole mesmo, cara. O terceiro gol deles, então, foi lambança geral do sistema defensivo do Mengão. Espero que o Juan entre logo no ritmo. Gosto da idéia de termos o Éverton aberto na esquerda e o Pet na direita, com Zé Boteco e Imperador no ataque. Com o trio Maldonado/Willians/Airton, acho que podemos ter essa formação sim. O que vocês acham? Sabadão vamo com tudo pra cima da bambizada. Eu estarei lá. Faça chuva ou faça sol.

Raquel Santana disse...

Ehhhhhhhhhhhhhh...

Tenho certeza que vai dar Mengão no sábado!

Vou assistir no boteco mais flamenguista aqui de Brasília, junto com uns bambis que conheço!

Adoraria estar aí e sentir a energia dessa torcida LINDAAAA junto com vcs...

Estarei torcendo de longe, mas com o mesmo sentimento!

Rumo ao G4!

Bjus

Raquel Santana
SRN

Cris Marassi disse...

Eu tbm vou estar lá, carregando uma galera a tiracolo, inclusive cunhado de BSB. Mas confesso que tô no maior receio desse nosso time nao render... =/

Alexandre Gatuso disse...

GIL QUE BOM QUE VOCÊ ESTÁ DEVOLTA AO URUBUZADA!!!!!!!!!!!!!!!