quinta-feira, 25 de março de 2010

EU TE DISSE, EU TE DISSE...



Eu insisti pra cacete e, ao que parece, as coisas vão começando a mudar lá na Gávea. Não que eu tenha a petulância de achar que o esquema tático e a mentalidade da diretoria e comissão técnica tenha sofrido qualquer influência dos meus pedidos (podem me internar se um dia eu escrever isso, ok?). Mas que é muito bom quando as coisas começam a acontecer da forma como você imaginava (e dão certo), ah, isso é!

Eu disse que deveríamos abolir de vez o esquema com 3 volantes para garantir mais ofensividade. Eu disse que tinhamos que entrar com o Pet e Vinícius Pacheco (ou Kleberson, se voltasse a jogar bola), mantendo apenas Williams e Maldonado lá atrás. Eu disse que seria prudente a equipe utilizar apenas os reservas, pros caras mostrarem serviço e para pouparmos os titulares pra Libertadores. Na verdade, eu disse um monte de outras coisas que não vem ao caso agora, afinal, estamos aqui (eu escrevendo e você lendo) pra falar das impressões sobre o jogo de ontem, contra o Tigres, no "Enchenão".

E lá vamos nós.



Todos sabemos que o Tigres não é referência para bodega nenhuma. Trata-se de um time de mulambos, ingênuo e sem grandes ambições na competição. De qualquer forma, consegui ver no Flamengo de ontem um traço daquele time que levantou o caneco em 6 de dezembro do ano passado. O toque de bola ficou bem melhor. Havia o tempo todo a aproximação de jogadores de meio-campo com os laterais (Pet pela esquerda, com Juan e Kleberson, pela direita, com Leo Moura). E, como consequência, os atacantes não ficaram tão isolados quanto nos jogos anteriores. Ou seja: eu notei evolução, coisa que há muito tempo não rolava lá na Gávea.

É claro que o retorno de Pet e Maldonado foram fundamentais pra essa melhora no futebol rubro-negro. Mas não podemos negar que Juan e Léo Moura, os laterais que tanto são contestados, também proporcionaram grande evolução tanto no aspecto defensivo quanto ofensivo. Foi pelas alas que saíram as melhores jogadas do Mengão e também dois dos nossos três gols.

Até que os adversários com nome de bicho de circo tentaram cair pra cima da gente, buscando surpreender no comecinho. Chegaram até a abrir o marcador e ficaram todos animadinhos. Pobres incautos. Acabaram levando uma virada de 3X1 (poderia ter sido 20X1) e terminaram indo pra casa com o nariz escorrendo e os olhos marejados. Uma tristeza.

O gol dos caras saiu de um daqueles vacilos bizarros que acometem a nossa zaga de vez em quando. Os caras vieram trazendo a bola pela lateral esquerda, sem marcação alguma. Enquanto Juan, Maldonado e Fabrício olhavam, o maluco cruzou a rasteira, no segundo poste. David também deu o seu mole, deixando que Gilcimar recebesse sozinho, tocando pro fundo das redes: 0X1.

O gol fez o time acordar e partir pro empate. Numa linda jogada de Léo Moura pela ponta, o lateral levou a bola até o limite do campo e cruzou, em cima da linha, para trás. Adriano, bem posicionado, veio que nem um trem bala, deu uma tijolada de cabeça e empatou, sem comemorar (o que, por sinal, eu estou achando uma tremenda babaquice. Afinal, ele comemora com a torcida e não com os jornalistas): 1X1.

Ainda no primeiro tempo, tivemos outras chances de virar a partida e até deslanchar no placar (a maioria delas com Vagner Love), mas acabamos desperdiçando todas por preciosismo ou falta de pontaria.

Quando veio a segunda etapa, o Flamengo parecia ter se adaptado mais ao "novo esquema" de correr menos e cadenciar mais o jogo no meio-campo. Assim, a coordenação das jogadas e as tabelas começaram a fluir muito mais fácil. O Tigres realmente acreditava que poderia empatar e se expôs demais. Numa saída rápida em contra-ataque, Adriano fez "um-dois" com Juan e chegaram ao campo de ataque adversário em 3 passes. No último deles, o lateral esquerda deu só um totó, fazendo a bola passar por debaixo das pernas do marcador e chegar a Vagner Love. O artilheiro do amor, deu um come seco no último zagueiro, botou o goleiro sentado no pênalti e cutucou no cantinho, virando a partida pra 2X1 com justiça.

Após a virada o Mengão começou uma verdadeira blitz no campo tigrense. Vagner Love perdeu duas oportunidades absurdas de gol. Na primeira, recebeu na pequena área, driblou o marcador e isolou de esquerda. Na segunda, recebeu um cruzamento, a zaga se atrapalhou, e ainda assim não conseguir faturar. Mas não teve problema, não. Noutra daquelas saídas rápidas em contra-golpe, Vinícius Pacheco (que entrou na segunda etapa no lugar de Pet), fez um belo jogo de corpo, iludiu seu marcador e penetrou a grande área. Quando atraiu toda a marcação para si, apenas rolou a criança, deixando o Imperador a vontade pra fazer 3X1 e selar a vitória boa e, até certo ponto, convincente, do Flamengo.

Graças a confusão causada pela BWA e piorada pela FERJ, eu não sei ainda onde é que será a bosta do jogo contra o América. Mas a verdade é que a América que importa é a Libertadores, e temos bastante tempo pra preparar esse elenco pra revanche do dia 07/04, quarta-feira, contra o Universidad do Chile, se Deus quiser, no Maracanã.

VAMO QUE VAMO, MENGÃO!

Gil

3 comentários:

Í.ta** disse...

eu concordo contigo, caro gil. o time tem de jogar só com dois volantes, e eu arriscaria, sim, pet e vinícius pacheco. inclusive utilizaria alguns minutos desses dois próximos jogos chatos de carioca para isto.

parabéns pelos escritos eloquentes e conscientes.

grande abraço!

Helder Rodrigues Bino disse...

só LOVE, só LOVE, só LOVE: quantos gols perdidos...o primeiro tempo do Flamengo foi um HORROR...restou apenas o gol do IMPERADOR-DA-CHATUBA, num cruzamento do Léo Moura, que deveria fazer esta jogada SEMPRE, e não embolar pelo meio, como quase sempre fazem os laterais do Flamengo...essa frescura de não comemorar os gols é um verdadeiro chute-nas-bolinhas...tem que brigar contra o pessoal da IMPRENSA(que por sinal está certa em quase TUDO) e não ficar DESRESPEITANDO o TORCEDOR...está agindo como um VERDADEIRO-MANÉ...entra com Maldonado e Pet, e depois tira o servio prá colocar o "talentoso" V. Pacheco...porque não tirar o Kléberson que vem jogando uma bolinha-bem-safada...contra o América, tira o chileno e o Pet prá escalar os "possantes" Toró e V.Pacheco...ah, meu treinador...que MALA, hein TROMBA...vamos pensar no jogo contra o Universidad do Chile, no Rio e esquecer esse carioca-prá-lá-de-ridículo...público de mil e poucas pessoas prá jogo do Flamengo é brincadeira de mau gosto...isto não é Flamengo...o torcedor não é esse bobo que os caras pensam que ele é...abraço...Helder

Dani Souto disse...

O time está mal.