segunda-feira, 20 de agosto de 2007

TROPEÇO OU VOLTA A REALIDADE?

Depois da vitória sobre o Flu, nas condições em que ela aconteceu, com dois jogadores a menos e na base da raça, eu realmente passei a acreditar que a gente venceria o Palmeiras lá em SP. Tá certo que a gente perdeu muito sem Léo Moura, Juan e Roger, principais escapes ofensivos da equipe. Mas eu imaginava que os jogadores tinham acordado e que se superariam neste returno em busca de sair da situação vexatório em que o clube se encontra na competição. A questão é que eu me enganei redondamente.

A zaga - ou melhor, o setor defensivo - que eu tanto elogiei no jogo contra o Fluminense, voltou a cometer erros que me lembraram os piores dias de Moisés e Irineu. Fábio Luciano, antes xerife, deu uma de bandido e sentou o sarrafo durante os 90 minutos. Correu o risco, por muitas vezes, de desfalcar o time na próxima partida, contra o Juventude, no Maracanã. Angelim, por sua vez, sem a segurança e o apoio de Fábio Luciano, voltou a ser estabanado. No lance do primeiro gol, foi até o meio e não teve velocidade pra retornar a sua posição. Resultado: falhou e permitiu o gol de abertura do Palmeiras, que, cá entre nós, não jogou bosta nenhuma. Mas esse avanço dos zagueiros teve um porquê: as laterais do Flamengo realmente não funcionaram. Egídio não comprometeu, mas não apresentou metade da capacidade ofensiva que o Juan demonstra. Nas poucas vezes em que foi ao ataque, conseguiu criar bons lances. Mas faltava alguém aparecer pra ajudar ou faltava entrosamento. Já na lateral direita, tivemos a comprovação de que jogadores do Ipatinga não servem para o Flamengo. O Luisinho, um dos filhotes de caipira que o Ney Franco trouxe de Minas, não consegue ser bom no apoio, nem no cruzamento e tampouco na defesa. Só mesmo o Kleber Leite e o Márcio Braga para trazerem este estrupício do Ipatinga para tentar a sorte na cidade grande, logo no time do Flamengo.

No meio, outro setor muito debilitado, Rômulo foi a boa surpresa. Falhou algumas vezes, mas já está mostrando um pouco mais de desenvoltura com a camisa 5 rubro-negra. Ibson, coitado, teve que jogar por um time inteiro, tirando a bola da defesa e levando para o ataque, afinal, o IMBECÍL do Léo Lima simplesmente se escondeu do jogo, ficando preso lá atrás durante todos o tempo em que esteve me campo. Feliz com o empate, Joel, demorou a mudar o time. Quando o fez, o Palmeiras já tinha marcado novamente e foi tarde demais para correr atrás.

Enfim, continuamos com nossos medíocres 18 pontos em 18º lugar. Agora eu me pergunto: será que foi um tropeço ou estamos apenas voltando a realidade?

3 comentários:

Negão disse...

O que Natalino Retranqueiro tá esperando pra colocar o Léo Lima na "barca" rubro-negra? Ainda escala essa criatura como titular? Tá pedindo pra perder, né não?

Neruso Sam disse...

Olhaí,
Acho que o time não foi tão mal assim, ainda mais considerando que o Natalino não teve tempo de treinar nem o time titular, imagina essa "BAGRAIADA" que jogou.
Temos que considerar que falhamos, mas o resultado poderia ter sido melhor com um pouco de sorte.
Agora uma coisa eu faço coro com a galera, esse Leo Lima é um CAVALO DE TRÓIA que o bacalhau colocou na Gávea.
É isso.

Alexandre Gatuso disse...

Esse maluco do Joel não sabe que o Leo Lima é ruim de mais???? Impressionante que ele bota o cara pra joga direto e não ve isso!!!!!!!!!!! Caralho!!!!! Gil, eu to contigo... esse time só vai piorar!!!!