segunda-feira, 10 de agosto de 2009

PODIA TER SIDO 10!



É meus amigos. O Flamengo voltou a ser o Flamengo na tarde de ontem, no Maraca, contra o Corínthians. Pode até não ter sido (e de fato não foi) a melhor partida que a gente viu o time jogar no Brasileirão 2009. Mas a raça que deve aparecer em todos os jogos, ontem estava em campo com a equipe de Andrade.

Além da raça, que a gente tanto exigia, o Mengão também demonstrou mais vontade de vencer e mais atenção na defesa, coisas que não tavam rolando muito ultimamente. A entrada de David, mesmo sem muito ritmo de jogo e entrosamento, deu um ganho de qualidade e seriedade pra zaga mengolina, que antes contava com jogadores improvisados ou com o bizarro Welliton. Gostei bastante da estréia do maluco e a galera da arquiba também falou o mesmo. Me parece um zagueiro com bastante tempo de bola, bom nas jogadas aéreas e muito sério.

Vamos ver como se desenrola sua carreiro vestindo o manto, mas, de cara, eu já aprovei a contratação.

Esquecendo o aspecto tático e partindo direto pro jogo, afirmo: poderíamos ter dado uma saraivada no time paulista, daquelas pra Nação lembrar pelo resto da vida e pros sites de futebol fazerem enquetes e perguntarem se a gente quer ver de novo. Mas a pontaria do Imperador, jogador mais acionado durante os 90 minutos, não tava muito bacana, não.

Sem nada oficial, só no meu scout pessoal, notei que só ele, juntando o primeiro e o segundo tempo, deixou de fazer uns 6 gols claros, sem NENHUM exagero. A cada lance que recebia sozinho na área e perdia, o camisa 10 parava, inconsolável, ao lado do poste, e dava umas porradas na cabeça, bolado com a sua falta de sorte (ou de capricho).

Ainda bem que, graças a um vacilo do lateral do Corinthians, que deu condição a todos os jogadores do ataque rubro-negro, Adriano conseguiu arrumar a bola pra canhota e bater de virada, no cantinho de Felipe. Foi a décima bola que o Imperador ensaco no Brasileirão, tornando ele o artilheiro isolado da competição, na frente de Tardelli & Cia.

Mesmo sem o Ronaldo, que arrumou várias desculpas pra não enfrentar o Mengão e sua torcida, ontem, no maior do mundo, o time dos 'curíntia' jogou um bom futebol. Suas principais falhas foram mesmo nas marcações pelas alas e na construção de algumas jogadas pelo meio, onde erravam muitos passes e não tinham criatividade. Elias, mais uma vez, foi o destaque da equipe alvinegra, pegando a bola no campo de defesa e infernizando a marcação do Fla em alguns lances em que partia com ela dominada até o ataque.

Graças a Deus, temos o Willians ali no setor fazendo todas as coberturas e lutando que nem um louco. Do contrário, os paulistas poderiam ter chegado com mais perigo ao gol do Bruno e até mesmo, empatado.

Pelo lado do Fla, quem passou a atuar melhor com a entrada de Andrade, foram os "pontas" Éverton e Emerson. Explico: bem abertos pelas alas, os dois azucrinaram a boa zaga corintiana, dificultavam a marcação e puxavam a bola até a linha de fundo, abrindo muitos espaços para que o Adriano e o Kléberson, que vinham de trás, pudessem se aproximar e conseguissem arrematar pro gol. Essa foi a principal arma do Fla na partida de ontem.

O pentacampeão é que não foi lá muito bem. Deu muitos passes errados, capou uma bola na defesa - que quase resultou no gol adversário - e ainda, dentre os titulares, foi o que pareceu mais desligado em campo. De qualquer forma, não foram erros suficientes para atrapalhar o time da Gávea a conseguir mais uma vitória sobre o freguês paulista e chegar aos, apenas 8 atrás do líder, Palmeiras.

Ao final do jogo, a arquibancada tremia com a galera. Emerson, que pode estar de saída pro futebol árabe, teve seu nome gritado pela torcida, que pedia ao 'Sheik' pra não deixar a Gávea. Pude assistir depois na TV que o atacante ficou muito emocionado e prometeu pensar no assunto, afirmando que o nosso pedido pesava muito em sua decisão (assim eu espero).

A questão é que, com ou sem ele, o Fla deve continuar a sua caminhada rumo ao G-4 e a Libertadores. E o próximo confronto é uma pedreira: vamos até o Olímpico, no domingo que vem, enfrentar o Grêmio, de Paulo Autuori.

Mas, por enquanto, eu só penso mesmo é em ir ao Maraca na quarta à noite, pra presenciar o momento em que o Mengão vai provocar extremas assaduras no traseiro dos tricolores, pela Sulamericana. A partida é a primeira entre os times cariocas numa competição internacional (até porque, geralmente quem chega nelas é a gente).

VAMO QUE VAMO, MENGÃO!

Gil

Um comentário:

Felipe disse...

Bem que o futebol árabe podia estar de olho no Wellinton.

FICA SHEIK!